Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘choro baldes (arte)’ Category

Não sou dada a fofurices em geral. Mas fui pega desprevenida por essa mistura de cabana na floresta + fotografia no bolso da camisa + recado escrito na embalagem de pizza + filhotinho vira-lata perdido e assustado sendo resgatado no meio da tempestade de neve. Receita completamente esmagadora. Arrebatou (até) o meu (improvável) coraçãozinho.

.

Anúncios

Read Full Post »

(Hércules / Disney)

Read Full Post »

Minha mãe me apresentou uma música chamada Perto do Coração, de Nelson Ayres. Li que a canção seria inspirada no livro de Clarice Lispector, Perto do Coração Selvagem. Por sua vez, sei que o título Perto do Coração Selvagem foi inspirado por um trecho de um romance de James Joyce, que até virou epígrafe da obra: “Ele estava só. Estava abandonado, feliz, perto do coração selvagem da vida”. Foi Joyce quem escreveu Ulisses, uma adaptação do poema Odisseia, composta por Homero. E a Odisseia é uma releitura de lendas primitivas relativas à Ítaca, ilha do Mar Jônico. Elas originaram-se da união dos mitos dóricos e micênicos, repletos de criaturas fantásticas.

O que existe em comum entre todas essas obras? Uma certa fusão do humano com o animal. Nesta mitologia ancestral havia uma criatura que era metade humano e metade cavalo: o centauro. Em Homero, o centauro Quiron é sinônimo de força e coragem. O herói Heitor, mesmo não sendo visto com equino nenhum, é chamado “domador de cavalos” e um importante episódio histórico é a Guerra de Troia, onde uma enorme escultura animal surpreende por estar repleta de homens por dentro. Em Joyce, o cavalo é referenciado no azarão que, mesmo fraturado, vence a competição: “As únicas pessoas descentes que vi em locais de corrida eram cavalos”. Em Lispector: “Sentia o cavalo perto de mim, como uma continuação do meu corpo. Ambos respirávamos palpitantes e novos.” (1986, p. 75) Em outra obra da autora – onde o personagem, não por acaso, se chama Ulisses: “Existe um ser que mora dentro de mim, um cavalo preto e lustroso… inteiramente selvagem.” (1988, p.28)

Na História e na Literatura, o centauro representa o religamento do humano com o seu instinto, um retorno ao impulso, à essência, à verdade. É o regresso à Arcádia. Ouço Perto do Coração pensando neste monstro antigo. E lamentando, às vezes, a falta da outra metade.

Read Full Post »

“Entre os milhares conhecidos

Ou que querem ser conhecidos

Como poetas

Talvez um ou dois

Sejam genuínos

E os outros são falsos

Percorrendo os sagrados recintos

Tentando parecer verdadeiros.

Nem preciso dizer

Que eu sou um dos falsos

E que essa é a minha história.”

 

(Leonardo Cohen / Milhares)

Read Full Post »

clarie house of cards

(House of Cards / Beau Willimon)

Read Full Post »

cabelo azul cinema personagens

(Azul é a Cor mais Quente, 2013 / O Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças, 2004 / Scott Pilgrim contra o Mundo, 2010)

Read Full Post »

FB_IMG_1493946317626

(Kleber Mendonça Filho / Aquarius)

Read Full Post »

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: