Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘havaiana de pau (day life)’ Category

Anúncios

Read Full Post »

Todas as vezes em que passei sob os arcos do Terreiro do Paço, eu pensei comigo: pisar aqui é um privilégio. Mesmo passando ali todos os dias. Fosse voltando do trabalho ou indo à padaria, mesmo na mais rasteira e desinteressante das rotinas, quando o inverno era cinza e o pão menos farto e eu me sentia mais sozinha que aquela estátua no meio da praça, eu enxergava a grandeza daquela oportunidade. Eu sabia que ali, naquele momento, eu era uma privilegiada.

O Terreiro do Paço é uma das coisas mais bonitas que eu já vi na vida.

Hoje, meus caminhos são os mais desimportantes da minha cidade. Mas tenho vivido um outro tipo de privilégio, um benefício delicado. De noite, olhando a janela, baixo os olhos, agradecida. Reconheço quando estou vivendo uma grande oportunidade.

Read Full Post »

Uma vida resumida em:

– Vou renovar, abrir espaço na casa, as estantes estão pesadas. Já separei até uns livros para doar.

– Separou quantos?

– Dois.

Read Full Post »

A maior caverna do mundo foi descoberta recentemente no sudoeste da Ásia. Você sabia disso? Provavelmente, não.

Passei dias pesquisando sobre ela. Sei tudo sobre ela, perderia horas falando sobre ela. Mas, com quem? Quem quer saber sobre isso? Como se chama esse tipo de pessoa que não sabe NADA sobre cavernas e nem quer entender NADA sobre quaisquer crateras obscuras localizadas na remota fronteira entre o Laos e o Vietnã?? É um tipo de gente conhecida como: pessoa normal.

– Mas é um buraco de 5 quilômetros!

– Que bacana. Bora no cinema amanhã?

Talvez seja essa a solidão dos produtores de conteúdo e dos especialistas em geral, esse ofício ermitão de aprofundar conhecimentos sem nenhum eco na própria vida. Eu vivo mergulhada em dados aleatórios. Mês passado estudei sobe a relação dos pré-colombianos com a prata. Antes, sobre variações do gótico e do mouro na arquitetura manuelina.

fodase ninguem quer saber

Eu acho tudo tão interessante, gente. Acho o mundo fabuloso. E o quê dizer desta caverna? Vontade de contar para a humanidade o quanto ela é ma. ra. vi. lho. sa.

É isso.

Lamento informar, mas sobrou pra você, caro leitor:

son dooge 03

A Hang Son Doong possui 3 milhões de anos.

son dooge 04

Ela recebe apenas 250 visitantes por ano, em acampamentos turísticos que custam 3 mil dólares por pessoa.

son dooge 08

São rios, praias e florestas tropicais debaixo da terra, inclusive com vida animal própria. Ela serviu de esconderijo na guerra do Vietnã e só não foi mais explorada por quê, segundo os nativos, produzia um uivo estranho que afastava os curiosos. É um ambiente que possui o próprio sistema meteorológico. Desde a sua descoberta, ficou conhecida como a Rainha Subterrânea.

son dooge 05

son doong 06

don soong caverna 3

don soong caverna 2

Pronto. Eu precisava falar. Sinto que a existência volta a fazer sentido.

Obrigada a todos pela oportunidade. Pela compreensão. Retornamos agora com a programação normal. Voltem sempre.

Read Full Post »

Em regime de recolhimento noturno obrigatório, sob afastamento de todas as funções laborais e com o passaporte recolhido por tempo indeterminado: estou recebendo tratamento de gente importante. Achei chique, achei tendência, achei que meu médico só não mencionou o uso de tornozeleira eletrônica simplesmente por que não precisa: não tenho fôlego para cruzar o quarteirão. O monitoramento também inclui a restrição sumária a quaisquer atividades sociais sob ameaça de transferência para o regime fechado. Horror. São tempos difíceis para os contraventores e para os enfermos da nação.

Até tentei escapar duas ou três vezes de casa, mas fui entregue pelos porteiros. Delação premiada está na moda. Meus advogados não colaboram: todos que conheço são da família e sentenciam que a minha única possibilidade de ressocialização está restrita à internet. Por enquanto. Se esta for responsável por qualquer alteração cardíaca ou arterial, será vetada também. Suponho que a alternativa seguinte seria me abandonar num quarto branco, silencioso, com cama de ferro e comida ruim sendo servida numa bandeja. Hospital? Solitária, o nome.

Pablo escobar narcos.jpg

Enfim. Estou triste e entediada, assistindo o mundo girar sem a minha preciosa contribuição. Depois de me pegarem correndo de kart, perdendo noite e andando de moto sem autorização, meu médico chamou pra conversar. Delito flagrante. Com testemunhas. Antecedentes terríveis. O doutor balançou a cabeça muito desanimado. Ponderou sobre as complicações da minha saúde. Por fim, disse que eu estou que nem o Brasil.

– Abençoada por Deus e bonita por natureza?

– Simplesmente sem remédio. Um caso perdido.

 

Read Full Post »

O WordPress me escreveu informando que este blog completa 10 anos hoje. Pareceu um mérito impressionante, em pleno 2017, ter um blog ativo.

Lembro vagamente que a página nasceu de um exercício banal da universidade. Depois virou portfólio de crônicas, depois diário de viagens, depois arquivo de resenhas literárias e não sei bem qual o papel que ele exerce hoje em dia, tipo circo do interior: se reinventando pra sobreviver. Devo reconhecer que mantive com ele uma relação mais estável do que com 95% das pessoas à minha volta. Alimentei sempre. O blog é isso, o meu cachorro virtual.

Honestamente, não sei mais dizer qual o perfil do leitor de agora – internet é tipo igreja, né, sempre de portas abertas. Cada vez mais gente de mais longe se aproxima e é bom conhecer pessoas novas, tem cidadão que surgiu por aqui e, hoje, assalta a minha geladeira semanalmente, há os desconhecidos que me abordam na rua decepcionados: a cara é a mesma, mas te imaginava vestida de preto e coberta de tatuagens. Teve conteúdo que virou peça teatral, matéria de revista e até objeto de estudo em universidade de São Paulo. O blog virou também um desses arquivos que eu mesma consulto pra lembrar o nome de um livro, a data de um evento e acabo revivendo pequenos vexames – sério que eu realmente escrevi isso?? – acho que toda timeline tem um pouco de amizade antiga, pronta pra bater no seu ombro dizendo: lembra de como você era bizarro? Nossa memória nos escapa, fantasia coisas, omite fatos, mas um código binário não mente. Meu blog foi o terrível Grilo Falante da minha última década.

Sobre os outros blogueiros, posso dizer que vivo essa sensação de que as pessoas estão arrumando seus brinquedos e indo embora do play por motivo de “prefiro mídias líquidas que não deixem rastros e Deus me livre lembrarem de quem eu fui anteontem”. Eu, é claro, compreendo. Ainda assim, o Snapchat e o Stories que me perdoem, mas eu vou continuar por aqui mesmo, sentada sobre os arquivos que criei na Idade Média. Razão 1: eu fui alfabetizada antes de aprender a me filmar conversando sozinha com uma câmera. Razão 2: apesar de tudo, eu não quero que minhas histórias desapareçam. Acreditem, crianças, de qualquer forma a internet sabe o que vocês fizeram no verão passado. Acho que nunca mudei de plataforma por que sou meio tipo aquelas vovós que têm medo de apertar o botão errado no microondas e detonar uma bomba no Oceano Pacífico, mas principalmente por quê eu não quero que minhas ideias sejam deletadas em 24h. Eu quero ficar com tudo o que é meu. Não quero que evapore. Meu plano é sentar aqui bem bonita e continuar acumulando vexames para a posteridade.

Hoje este blog completa 10 anos e talvez o grande mérito dele seja esse mesmo – veja só – ainda estar vivo. Fico feliz de existirmos todos de modo simultâneo: eu, a internet, as pessoas que lêem, as pessoas que escrevem. Ao menos, as que ainda escrevem. As que eu ainda posso ler. As que ainda digitam divagações inúteis enquanto aguardam pela senha no balcão da existência. Que sorte a nossa, eu acho.

O blog agradece o carinho de todos. Até 2027. Um beijo.

Read Full Post »

Read Full Post »

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: