Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘música’

Alguém me avisou pra pisar neste chão devagarinho.

Anúncios

Read Full Post »

“A porta estava trancada

E o universo

Tocava a minha música.”

(Charles Bukowski / Hino da Tormenta)

Read Full Post »

16123447_255267201565576_4800274184104050688_n

“Meu pai não aprova o que eu faço, tão pouco eu aprovo o filho que ele fez.”

“Nenhum supermercado satisfaz meu coração”

“A gente se olha, se toca e se cala e se desentende no instante em que fala.”

“Já faz tempo eu vi você na rua, cabelo ao vento, gente jovem reunida. Na parede da memória essa lembrança é o quadro que dói mais.”

“Cai o Muro de Berlim – cai sobre ti, sobre mim, a nova ordem mundial.”

“Não quero amar, não, nunca mais. Que esse negócio de amor já não se faz sem punhais.”

“No escritório em que eu trabalho e fico rico, quanto mais eu multiplico, diminui o meu amor.”

“Meu coração, cuidado, é frágil. Meu coração é como um vidro, como um beijo de novela.”

“Mas não se preocupe, meu amigo, com os horrores que eu lhe digo, isso é somente uma canção. A vida, a vida realmente é diferente. Quer dizer, ao vivo é muito pior.”

“Se você vier me perguntar por onde andei no tempo em que você sonhava, de olhos abertos lhe direi: amigo, eu me desesperava.”

“Completamente sem metas, sentado: não tenho sido.”

“Tenho sangrado demais, tenho chorado pra cachorro, ano passado eu morri mas esse ano eu não morro.”

“Tudo muda. E com toda razão.”

Read Full Post »

adele-twitter-meme-grammy

Read Full Post »

Como o Chaplin em Tempos Modernos, que sai da fábrica e continua apertando parafusos, eu me pego imaginando reuniões. Suponho mesas, suponho planilhas. Por exemplo, alguém concluindo que o Carnaval faliu, que a alegria faliu, que é hora de investir na tristeza. A equipe concordando. O assistente sugerindo a criação de um jingle para a tristeza, propondo usar uma rabeca. Rabeca é um instrumento medieval bem solene e fúnebre, precursor do violino, algo que a gente herdou do norte da África. É bom, mas talvez não seja melancólico o suficiente. Aí alguém sugere adicionar uns efeitos de ladainha católica, murmúrios de procissão sertaneja, monocórdios espirais de sacristia. Fica bom, fica histórico. Então, uma assessora argumenta que é necessário colocar uma letra na música. Escolhem um drama barroco: um soneto angustiado de Gregório de Matos, cheio de amor e ódio pela Bahia, num dilema entre as vaidades do mundo e as aspirações do Eterno. Um típico banzo do sagrado, lamentando a nossa humilde existência que evapora em 70 ou 80 anos no vazio da eternidade. E fica bonito, fica austero. Fica quase perfeito. Ninguém mais consegue imaginar nenhum elemento que pudesse tonar a coisa toda ainda mais dramática. Mas aí alguém sugere: e se a gente chamar a Maria Bethânia pra cantar isso?

Mortal Loucura – Maria Bethânia

A sugestão é aceita. Depois de selecionar tudo o que existe de trágico e pungente na Bahia, eles editam e está oficialmente criado o hino mais triste da Terra da Alegria. E decidem que vai tocar no rádio. Todos comemoram brindando com cafezinho e parabenizando uns aos outros. A reunião é dada por encerrada. Eles se despedem, satisfeitos. A sala fica vazia. E o estagiário apaga a luz.

Read Full Post »

Numa dessas jukeboxs dos EUA, encontrei uma música em português e coloquei para tocar. Vi do outro lado uma moça dançando e fui até lá, feliz, para puxar assunto. Notei que ela usava fones de ouvido e dançava outra música, uma música que só ela escutava. Voltei para minha mesa.

Encontros são raros. É uma sorte isso de se encontrar.

Read Full Post »

“De costas voltadas não se vê o futuro
Nem o rumo da bala, nem a falha no muro.”

(Maria Bethânia / Quem Me Leva os Meus Fantasmas)

Read Full Post »

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: