Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘poema’

“O oposto do amor não é nenhum ódio, é a indiferença. O oposto de arte não é a feiura, é a indiferença. O oposto de fé não é nenhuma heresia, é a indiferença. E o oposto da vida não é a morte, é a indiferença.”

(Elie Wiesel, US News & World Report, 27 de outubro de 1986)

Anúncios

Read Full Post »

“Tínhamos

em comum

ter de ganhar

o pão

de cada dia

e ter muita

dificuldade

em ganhar

o pão

de cada dia.

Isso

é muito mais

que a questão

do destino.”

.

(Adília Lopes / Dobra)

.

.

* poema de referência à citação “Tínhamos de verdadeiro a questão do destino”, de João Miguel Fernandes

Read Full Post »

“Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio.
Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos
Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas.
(Enlacemos as mãos).”

(Fernando Pessoa / Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio)

Read Full Post »

“Se te pareço noturna e imperfeita
Olha-me de novo.
Porque esta noite
Olhei-me a mim, como se tu me olhasses
E era como se a água
Desejasse

Escapar de sua casa que é o rio

E deslizando apenas, nem tocar a margem.

Te olhei. E há um tempo
Entendo que sou terra. Há tanto tempo espero
Que o teu corpo de água mais fraterno
Se estenda sobre o meu. Pastor e nauta

Olha-me de novo. Com menos altivez.
E mais atento.”

.

(Hilda Hilst / Dez Chamamentos ao Amigo, uma série de poemas do livro “Júbilo, memória, noviciado da paixão”, de 1974)

Read Full Post »

“Entre os milhares conhecidos

Ou que querem ser conhecidos

Como poetas

Talvez um ou dois

Sejam genuínos

E os outros são falsos

Percorrendo os sagrados recintos

Tentando parecer verdadeiros.

Nem preciso dizer

Que eu sou um dos falsos

E que essa é a minha história.”

 

(Leonardo Cohen / Milhares)

Read Full Post »

“Eles acharam que eu tinha peito

Que não conhecia medo algum

Mas entenderam tudo errado.

Apenas é que eu estava com medo

de coisas muito mais importantes.”

 

(Charles Bukowski / Relógio na Parede, no poema Hino da Tormenta)

Read Full Post »

“Sei que choras muitas vezes

Sozinha

E que lavas o rosto

(ah, onde ando eu

para a tua dor não ser minha).”

 

(António Reis / Poemas Quotidianos, 1959, p. 84)

Read Full Post »

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: